sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Sair na rua...



Sair na rua e passar vontade

Sair na rua e esquecer a igualdade

Sair na rua e não pedir passagem

Sair na rua e perder a admiração da paisagem

Sair na rua e perguntar: cadê a liberdade?

Sair na rua e só presenciar maldade

Melhor se trancar dentro de casa

E do resto da sociedade

18 comentários:

  1. Belo poema!
    Isso é verdade, daqui a pouco teremos que ficar trancados dentro de casa mesmo...

    Beijos querido!

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente é verdade... Vivemos prisioneiros e reféns da violência urbana... Belo texto!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho medo até de comprar pão!
    cheiros!

    ResponderExcluir
  4. eu confesso q estou traumatizada...
    tenho evitado muito sair de casa, e a minha vida nem está [ou é] assim tão belo qnto suas palavras.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. É isso aí, belo poema, agente preso e os ladroes soltos

    ResponderExcluir
  6. Mas é nas ruas que eu me encontro

    ResponderExcluir
  7. eita, nesse poema vc tava atacado! rsrsrs* Mas ficou legal!
    Beijossssssssss da * Poderosa *
    http://mundodapoderosa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Você pode fazer duas coisas ao sair na rua: olhar para o lixo na calçada, ou para o pássaro nos fios.

    ;)

    ResponderExcluir
  9. Tem selinho para você lá no meu blog. Eu não sei se você gosta dessa brincadeira dos selos, postar, distribuir... fique super a vontade. Beijos!

    ResponderExcluir
  10. esse post lembrou aquela propaganda sobre 'ser cortês no trânsito'.

    ResponderExcluir
  11. Ao sair na rua, eu tento ver o que há de belo. As luzes. As pessoas. O céu. O movimento. E isso me nutre, me dá esperanças.
    Se trancar não resolve os problemas. Apenas os joga pra depois.
    Vamos enfrentar, sair às ruas, mostrar as caras.

    Boa semana,
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Obrigada pelo comentários e elogios.
    Fico feliz que tenhas gostado do meu cantinho.
    Volte sempre.
    Ah,hoje postarei Quintana para atender teu pedido.
    Inté.

    ResponderExcluir
  13. Ola! Amei teu blog muito bom,
    Vc escreve lindamente, aplausos
    E seja bem vindo ao meu fique à-vontade
    E deguste o encanto das palavras, bjinhos

    ResponderExcluir
  14. Fico assutuda ao comparar minha infância com a dos meus sobrinhos!!! As crianças jah crescem com essa cabecinha voltada ao medo, pois encontram em todo tipo de mídia um incentivo a isso.

    Boa semana Pcro!!

    ResponderExcluir
  15. A impressão é que, em alguma medida, todos questionam as mesmas coisas e, para além de externar com palavras, clausura, movimentos acanhados ou assanhados, há algo que se move.
    Talvez pareça pouco, mas o teu 'palavrinhas' e este texto, está repleto de vozes e gritos.
    E o que podemos fazer? 'Sair na rua' ir às ruas, nos trancarmos em nossos medos e perdermos a liberdade ou cada um fazer a sua parte e, quem sabe - amanhã - crianças de novas gerações possam sair as ruas com menos medo e mais liberdade?!
    É uma boa discussão e muito bom teu texto.
    Continuemos a sair, escrever e agir no hoje,
    continuemos...
    Abraços e boa semana.
    Muito bom de encontrar.

    ResponderExcluir
  16. E vim agradecer a sua visita e as palavras deixadas.

    Abraços e o desejo de uma boa semana e dias bons sempre que sair às ruas.

    ResponderExcluir
  17. Oi amigo! Como vai?!
    Obrigada pelas palavras de carinho viu!!

    Beijos e ótima terça! :)

    ResponderExcluir
  18. o titulo me fez recordar os tempos de infancia , sair na rua era proibido para mim , e tudo q é proibido , geralmente ai que agente quer e quer,

    ficou gravado na minha memoria: grades do portao e o de sempre o NAO.

    ResponderExcluir

Comentem a vontade: